Semana de 22: Resumo, características, contexto histórico e principais autores

Procurando informações sobre a Semana de 22 na literatura? Achou! Aqui no Vá Ler um Livro você fica sabendo o principal que aconteceu nesse evento tão importante para nossa história. Confere esse vídeo com uma aula bem fácil de entender e use o texto abaixo (com resumo completo) para seu material de apoio.

Resumo e características da Semana de 22

Pensa em uma galera que queria mudar a arte no Brasil, fazer algo mais moderno e com a cara do nosso país. Pensou? Pois foram essas pessoas as responsáveis pela Semana de 22, também conhecida como Semana de Arte Moderna, que ocorreu no ano de 1922.




A semana, que na verdade durou três dias, aconteceu no Teatro Municipal de São Paulo, e reuniu artistas da literatura, como Mário de Andrade e Oswald de Andrade, da pintura, como Anita Malfatti, da escultura, como Víctor Brecheret, da música, como Heitor Villa-Lobos, entre outros.

Esse pessoal queria quebrar padrões, então a linguagem da literatura não era nada tradicional e possui gírias, se tornando assim algo mais próximo do que era falado naquela época. Na pintura Anita Malfatti também fazia coisas diferentes. Teve até o caso de uma mulher que chegou na exposição e pensou que o quadro estava torto. Mas era tudo proposital.

obra da pintora anita malfatti, que fez parte da semana de 22

VEJA TAMBÉM:
RESUMO DO SIMBOLISMO
RESUMO DO PARNASIANISMO

Contexto Histórico da Semana de 22

Brasil, século XX. Era comum pessoas com dinheiro irem estudar na Europa, e foi isso que aconteceu com o pintor Lasar Segall, o escritor Oswald de Andrade e a pintora Anita Malfatti. Todos eles trouxeram de fora do Brasil novas experiências e ideias para a arte. Esses, e alguns outros eventos, influenciaram direta ou indiretamente a criação da Semana de 22.

Mário de Andrade, que fez parte da semana de 22oswald de andrade, que fez parte da semana de 22

Críticas

Antes da Semana de Arte Moderna, Anita Malfatti fez uma exposição com uma arte bem diferente do que era visto até então, e isso gerou muita polêmica na época. E sabe quem fez uma matéria falando mal da exposição? Isso mesmo, Monteiro Lobato. O criador do Sítio do Pica-Pau Amarelo era muito influente na sociedade, e contrário a todo tipo de arte que não fosse clássica. Monteiro só fez críticas negativas à exposição de Anita, e isso a abalou bastante.




Durante as apresentações e eventos da Semana de 22 também houveram muitas manifestações contrárias ao que esse grupo de artistas estava fazendo. Por exemplo, o escritor Menotti del Picchia estava fazendo uma palestra no segundo dia de evento, quando foi interrompido por vaias e barulhos de miados, latidos etc. Um verdadeiro tumulto.

Pensa que acabou? Nada disso. Para fechar com chave de ouro, o terceiro dia de apresentações teve a presença do músico Heitor Villa-Lobos, que surgiu para tocar de chinelo. Isso mesmo! Em um pé ele estava com sapato e no outro um chinelo. Muitas pessoas viram a atitude como desrespeitosa, mas depois o artista disse que na verdade estava com um calo inflamado.

Grupo da semana de 22