Browse By

O que é Figura de Linguagem? Veja os tipos, definição e exemplos!

Para deixar um texto mais rico de expressões e transmitir mais emoção aos leitores, é usado na literatura a figura de linguagem. Conheça abaixo todos os tipos, as classificações e veja exemplos.




quadrinho com figura de linguagem (metáfora)

Figura de linguagem de som

São as expressões que pretendem dar determinada sonoridade na frase, enfatizar algum som.

Aliteração

É a repetição proposital de um fonema consonantal, ou vários deles, para causar impacto sonoro. Costuma ser usada em trava-línguas, músicas e brincadeiras populares.

Exemplo: O rato roeu a roupa do Rei de Roma.

Assonância

Acontece quando há a repetição ordenada de sons vocálicos idênticos.

Exemplo: Ó Formas alvas, brancas, Formas claras. (poema ‘Antífona’, de Cruz e Souza).



Onomatopeia

Palavras e expressões que representam sons. É um artifício muito utilizado em quadrinhos.

Exemplo: “Bum!” (som de bomba), “Click, click” (som de máquina fotográfica).

Paronomásia

É a semelhança sonora entre palavras, mas o significado delas são diferentes.

Exemplo: Conhecer as manhas e as manhãs/ O sabor das massas e das maçãs”. (música “Tocando em Frente”, de Almir Sater e Renato Teixeira)

Figura de linguagem de pensamento

Esse tipo de figura de linguagem dá ênfase ao aspecto semântico da linguagem, explorando o sentido das palavras, provocando emoções no leitor.

Antítese

É a aproximação de termos contrários na mesma frase.

Exemplo: “Eu vi a cara da morte, e ela estava viva”. (músicas ‘Boas Novas’, de Cazuza)

Apóstrofe

Acontece quando se chama alguém ou alguma coisa.

Exemplo: Senhor Deus dos desgraçados!/ Dizei-me vós, Senhor Deus! (poema ‘Navio Negreiro’, de Castro Alves)

Eufemismo

Serve para suavizar uma frase/pensamento, trocando por uma expressão menos chocante.

Exemplo: Quando a indesejada das gentes chegar (Não sei se dura ou coroável), Talvez eu tenha medo. Talvez sorria ou diga: – Alô iniludível! (poema ‘Consoada’, de Manuel Bandeira)



Gradação ou clímax

Quando uma ideia é apresentada em progressão, se intensificando.

Exemplo: “O primeiro milhão possuído excita, acirra, assanha a gula do milionário.” (Olavo Bilac)

Hipérbole

Quando uma ideia é exagerada para dar a noção de intensidade.

Exemplo: Estou morrendo de vontade de ler o novo livro de George R. R. Martin.

Ironia

Ocorre quando se usa uma palavra contrária àquela que realmente é a verdade.

Exemplo: Como ele é estudioso! Tirou zero na prova.

Paradoxo ou Oxímoro

Consiste em usar palavras de sentido oposto, que parecem excluir-se mutuamente, mas na verdade se completam e reforçam uma ideia.

Exemplo: Amor é fogo que arde sem se ver, /É ferida que dói e não se sente. / É um contentamento descontente, / É dor que desatina sem doer. (poema ‘Amor é fogo que arde sem se ver…’, de Luís Vaz de Camões)

Prosopopeia ou Personificação

É quando seres inanimados ganham predicados que pertencem à seres humanos.

Exemplo: “Devagar as janelas olham…” (poema ‘Cidadezinha Qualquer’, de Carlos Drummond de Andrade)

Figura de linguagem de construção (ou sintaxe)

Elas dão ênfase ao aspecto sintático da linguagem, com o objetivo de reforçar algum elemtno significativo.

Anacoluto

É quando um termo é deixado solto na frase, quebrando a lógica.

Exemplo: “Aquela mina de ouro, ela não ia deixar que outras espertas botassem as mãos.” (Camilo Castelo Branco)

Anáfora

É a repetição de uma palavra no início de frases.

Exemplo: “Tudo é silêncio, tudo calma, tudo mudez.” (poema de Olavo Bilac)

Hipérbato ou Inversão

Acontece quando há mudança na ordem natural dos termos na frase.

Exemplo: “Do que a terra mais garrida / Teus risonhos, lindos campos têm mais flores” (Hino Nacional Brasileiro, escrito por Osório Duque Estrada)

Assíndeto

É quando não há a conjunção coordenativa, que a princípio dá a ideia de aproximação entre as ações ou seres.

Exemplo: Todo coberto de medo, juro, minto, afirmo, assino. (Poema ‘Romance XLIV ou da testemunha falsa’, de Cecília Meireles)

Polissíndeto

É a repetição de conectivos que ligam termos da frase ou elementos do período.

Exemplo: “…e planta, e colhe, e mata, e vive, e morre…” (Clarice Lispector)

Elipse

Omissão de um termo na frase, mas entende-se o sentido da oração;

Exemplo: Na estante, cerca de 100 livros. (omissão da palavra ‘tem’)

Zeugma

Parecido com a elipse, mas se omite uma palavra que já apareceu.

Exemplo: As autoridades compareceram ao evento de carro ou helicóptero, o povo, a pé. (foi omitida a palavra ‘compareceu’)



Silepse

Esse recurso é usado quando não há concordância com a palavra, mas com a iddeia que ela passa, Pode ser:

De gênero: Mato Grosso do Sul é linda.

De número: Os Maias é muito interessante.

De pessoa: Os moradores desse bairro somos conformados já.

Hipálage

Acontece quando ocorre a atribuição de uma característica de um ser ou objeto a um outro ser/objeto que está na frase.

Exemplo: Fumando um pensativo cigarro. (Eça de Queirós)

Pleonasmo

É a redundância, quando se quer reforçar determinada ideia.

Exemplo: Vamos fugir pra outro lugar, baby. (música ‘Vamos fugir’, de Gilberto Gil)

Figura de linguagem de Palavras

As figuras de linguagem de palavras se caracterizam pela substituição, comparação e associação de palavras, reforçando o sentido figurado.

Perífrase ou Antonomásia

Substituir um nome por uma expressão que o identifique com facilidade

Exemplo: A Rainha dos Baixinhos (ao invés de falar Xuxa)

Catacrese

Quando não há um termo específico para um conceito/objeto, e usa-se outro no lugar. Mas com o uso regular, não se percebe mais que ele está sendo usado no sentido figurado.

Exemplo: A orelha do livro rasgou.

Comparação ou Símile

Acontecendo quando há a comparação entre dois elementos, ligados poe nexos comparativos (tal qual, assim como, que nem etc).

Exemplo: “E flutuou no ar como se fosse um príncipe.” (Chico Buarque)



Metáfora

Quando um termo é usado no sentido figurado, comparando ações/pessoas/objetos, mas sem o conectivo, que fica subentendido.

Exemplo: “Meu pensamento é um rio subterrâneo”. (Fernando Pessoa)

Metonímia

É a substituição de uma palavra por outra, quando há alguma proximidade ou semelhança entre elas. A relação entre as palavras é objetiva. Tipos de metonímia:

Causa pelo efeito: Tenho alergia ao Sol (A alergia são os raios solares, e não o Sol)

O lugar de produção pelo produto: O chefe fuma um havana todos os dias (Os chaturos se chamam Havana pois são produzidos nessa cidade, em Cuba)

O autor pela obra: Todos devíamos ler Machado de Assis (Lemos os livros, não os autores)

Sinestesia

Mistura de sensações, percebidas por diferentes órgãos do corpo.

Exemplo: Ela recebeu um doce abraço da mãe. (Abraço é tato e doce é paladar)

 

Saiba mais: